Oferta da Oracle para aquisição da operação do TikTok nos EUA pode ser bloqueada

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A Microsoft, a primeira na fila da aquisição das operações do aplicativo nos EUA, confirmou no domingo que está fora da disputa

A oferta bem-sucedida da Oracle para fazer parceria com a TikTok US enfrenta outro obstáculo potencial depois que a proprietária chinesa do aplicativo, ByteDance, disse que não entregaria seu algoritmo no caso de qualquer venda ou desinvestimento, comentou o “South China Morning Post” citando fontes familiarizadas com as discussões a portas fechadas.

Faltando poucas horas para o prazo final de 15 de setembro do governo Trump para que o aplicativo seja vendido a uma empresa norte-americana, sob o risco de ser banido dos Estados Unidos, a empresa de software Oracle, preferida de Trump, estaria definida como uma “parceira confiável da tecnologia” para o TikTok US, informou o “Wall Street Journal ontem (14).

VEJA TAMBÉM: Os 7 influenciadores mais bem pagos do TikTok

A Microsoft, a primeira na fila da aquisição das operações do aplicativo nos EUA, confirmou no domingo que está fora da disputa depois que a ByteDance rejeitou a oferta da empresa.

Mas a possível parceria com a Oracle já enfrenta obstáculos, pois uma fonte não identificada familiarizada com as discussões disse ao “South China Morning Post” que um novo algoritmo teria que ser desenvolvido, já que o existente não seria entregue, enquanto a emissora estatal chinesa CGTN disse que a ByteDance não venderia as operações do TikTok nos EUA.

“[ByteDance] não vai disponibilizar o código-fonte a nenhum comprador dos EUA, mas a equipe de tecnologia da TikTok nos EUA pode desenvolver um novo algoritmo”, disse a fonte ao jornal, acrescentando que os licitantes já haviam sido informados da decisão.

Qualquer rejeição da condição de “nenhum algoritmo” por Trump seria um problema, disse a fonte ao jornal chinês.

A decisão da ByteDance veio quase três semanas depois que o governo chinês abalou as negociações ao restringir a exportação de qualquer tecnologia de inteligência artificial como a que alimenta os algoritmos do TikTok.

Cenário

As negociações para a venda do popular aplicativo de compartilhamento de vídeo TikTok estão em andamento há semanas, depois que o presidente Trump emitiu uma ordem executiva no mês passado sob ameaça de bani-lo por preocupações com a segurança nacional e o uso de dados de usuários americanos pelo aplicativo, parte dos ataques mais amplos do governo contra empresas chinesas de tecnologia.

E AINDA: Citroën lança carro mirando geração TikTok

A oferta conjunta da Microsoft com a gigante do varejo Walmart parece ter sido derrotada pela Oracle, uma empresa de software de computador de propriedade do bilionário e doador da campanha de Trump Larry Ellison. No entanto, o preço do acordo relatado, que colocaria a Oracle na posição de gerenciamento dos dados de usuários norte-americanos no TikTok, segundo a Reuters, ainda não foi revelado.

As conversas geraram descontentamento de ambos os lados da mesa. O TikTok processou o governo Trump no mês passado por outra ordem executiva que proibiria qualquer transação nos EUA com a ByteDance, enquanto o fundador da da controladora do aplicativo, Zhang Yiming, disse anteriormente que a companhia discorda da tentativa de Washington de uma venda.

Enquanto isso, as novas regras de exportação chinesas introduzidas no mês passado podem significar que Pequim terá a última palavra no destino do aplicativo nos EUA, que conta com 100 milhões de usuários ativos por mês em todo o país e gerou influenciadores milionários ao longo de sua presença de dois anos em terras norte-americanas. É esperado que tudo se desenrole ainda esta semana, já que Trump se recusou a estender o prazo de 15 de setembro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).